quarta-feira, 27 de junho de 2018

O crochê no filme Irreplaceable You (Perfeita para você)- Netflix

Filme Irreplaceable You Netflix
Sam (Michiel Huisman) e Abbie (Gugu Mbatha-Raw) no cartaz do filme.
Imagem: uk.newonnetflix.info

Já tinha um tempinho que não pintava um post sobre cinema aqui no blog, né?! Mas, há umas 2 semanas atrás, eu assisti a um filme na Netflix que me deu muita vontade de escrever sobre. Isso porque a produção em questão aborda o crochê em cena com uma certa ênfase. E como é raro um filme falar sobre o nosso amado crochê, eu quis trazê-lo para cá e dividir com vocês quais foram as minhas impressões sobre o que eu assisti.

O filme em questão se chama Irreplaceable You, no título original. Já a versão em português foi traduzida como Perfeita para você. A trama gira em torno de um jovem casal que se conhece desde a infância. Muito apaixonados, Abbie e Sam se encontram planejando o casamento e na expectativa da chegada de um possível herdeiro quando descobrem que, na verdade, Abbie não está grávida, e sim com um tumor raro na região do abdômen.

A notícia do câncer, claro, muda radicalmente a vida do casal. Sem chão após receber o diagnóstico, Abbie começa o seu tratamento. Com muitas inseguranças em relação ao futuro, se irá sobreviver ou não e se Sam ficará bem sem ela, Abbie decide iniciar uma busca por uma nova parceira para o noivo caso ela não sobreviva.

O grupo de apoio

Em meio a tudo isso, entre uma sessão de quimioterapia e outra, Abbie resolve conhecer um grupo de apoio formado por pessoas que têm câncer, assim como ela, e que se reúnem para conversar sobre a vida e fazer crochê.

Crochê Terapia Filme Irreplaceable You Netflix
O exótico grupo de crochê.

Durante a maior parte do tempo, as conversas do grupo são um tanto estranhas, pois seus integrantes falam de uma forma muito direta sobre temas como morte ou sexo mesmo não tendo muita intimidade entre si, o que gera um clima um tanto constrangedor durante as sessões.

Dentro do grupo, há também o necessário debate sobre como encarar a doença: de forma positiva ou negativa? E a personagem Kate, vivida pela atriz de mesmo nome (Kate McKinnon), claramente representa aqueles que decidem enxergar a adversidade pelo viés positivo. O que a faz travar constantes embates com os membros mais pessimistas do grupo.

Casaco de Crochê Terapia Filme Irreplaceable You Netflix
Kate (Kate McKinnon), integrante do grupo de apoio que tenta encarar a doença da forma mais positiva possível.
Fazendo crochê e usando também um casaco handmade. ❤ 


Já a protagonista Abbie tende a encarar a doença de forma negativa. Afinal, ela tinha uma vida "perfeita", com um futuro projetado à altura e que mudou radicalmente com a descoberta do câncer. Tendo entrado no grupo movida apenas por tédio misturado com curiosidade e bastante descrente em relação à real utilidade das reuniões, Abbie chega a se referir ao crochê como hobby inútil. Acrescenta ainda que não gosta de conversar e não tem tempo para essas coisas.

Ela só continua participando do grupo devido à insistência de Myron, um dos frequentadores, também com câncer em estágio avançado e vivido pelo excelente Christopher Walken. Rapidamente, surge uma bela e inusitada amizade entre eles.

Crochê Terapia Filme Irreplaceable You Netflix
Myron (Christopher Walken) e Abbie (Gugu Mbatha-Raw) durante uma sessão do grupo de apoio.

Debochando do crochê como método terapêutico e repetindo que o mesmo não era uma metáfora para a cura, Abbie segue muito fechada durante todas as sessões, falando muito pouco sobre si.

Crochê Terapia Filme Irreplaceable You Netflix
Parece até eu quando faço e desmancho MIL VEZES a mesma peça até ficar do jeito que eu quero. Hahahaha
Mas, ao fim do filme, ela reconhece que, sim, o crochê é uma metáfora sobre a vida, pois ambos são difíceis.

Crochê Terapia Filme Irreplaceable You Netflix

Crochê Terapia Filme Irreplaceable You Netflix

Vou ter que discordar da Abbie. Não, crochê não é difícil. É fácil, e muito gostoso de fazer! Discordo um pouco também da forma como o mesmo foi apresentado no filme.

Claro que o crochê não era o foco central da história, mas apenas um recurso usado na narrativa para que a personagem se confrontasse com sua nova realidade de paciente de câncer e vencesse suas próprias resistências e conflitos ao conviver com as pessoas que ela conheceu no grupo e os novos pontos de vistas que elas lhe mostraram.

Porém, já são bastante conhecidos os benefícios do crochê como terapia, onde a técnica atua de forma positiva no tratamento de vários problemas como tensão, ansiedade e até mesmo depressão. E o filme o abordou de uma maneira muito superficial.

Eu gostaria de ter visto a Abbie se abrindo para o crochê, aprendendo realmente a técnica, levando-a pra sua vida. Queria que o filme mostrasse a evolução dela, confeccionando peças para si, para o marido... E que isso tudo caminhasse junto com o seu amadurecimento emocional. Mas não foi o que aconteceu. Uma pena.

Porém, ainda assim, valeu a pena ver o crochê retratado no cinema. E também vale a pena assistir ao filme em si, claro. A história é triste? Sim. Mas é contada de forma leve, tocante na medida certa e faz a gente refletir bastante.

E você, já assistiu? O que achou da história? Conta para mim.

Se ainda não viu, eu deixo aqui o trailer para você se animar.


Fonte das imagens: Reprodução netflix.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário