quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Retrô: revistas antigas mostram roupas da moda dos anos 80

Uma das lembranças mais vivas da minha infância é ver minha mãe folheando revistas de moda antes de modelar e costurar, seja para ela mesma ou para algum cliente. Isso era ali pelo início dos anos 90, mas as revistas que ela usava eram mais antigas, tipo metade e final dos anos 80.

Eu costumava ficar horas folheando as revistas também e, como toda criança, adorava riscar todos os rostos que apareciam nas páginas (prazer estranho e universal esse, né?!). Mais tarde, parei de tentar destruí-las e passei a aprender com elas, tirando dali os meus primeiros faça você mesmo e também receitas de bordados.

Apesar da minha mãe ter o costume de guardar coisas por muito tempo, boa parte das revistas se perdeu em algumas das nossas mudanças. E eu confesso que não dava a elas o devido valor. Mas, há alguns anos atrás, quando ela quis jogar fora as que sobraram, eu disse: "Nãaao! Elas são relíquias! Deixa comigo, então."

E cá estão elas guardadinhas, verdade que já bem destruídas pela ação do uso e do tempo. Mas ainda dá para ver o que era moda antigamente e o que mudou dos anos 80 para cá. Vamos embarcar na viagem?!

Tendências dos anos 80
Ombros marcados com as famosas ombreiras, combinação
de cores contrastante, formas largas... Bem anos 80!


Tendências

A gente já tá cansado de saber que a moda é cíclica e que as tendências vão e voltam. Mas, quando olhamos revistas de outras décadas, fica claro que, por mais que a moda se inspire no que já passou, o resultado é sempre algo novo. Nunca é uma simples reprodução. Ainda bem! Vejam só este exemplo:

Pantalona curta ou Pantacourt
Fonte da imagem à direita: revistadonna.clicrbs.com.br

A primeira imagem é de uma das minhas revistas antigas e a segunda é uma foto atual. Ambas mostram a controversa pantalona curta ou pantacourt, que voltou a ser tendência no ano passado. E veja como tanto as calças isoladas quanto os looks completos, ambos um tanto sérios (apesar do vermelhão do look antigo), são completamente diferentes. Eu acho pantacourt uó não importa a década, a cor ou o shape, mas este é um bom exemplo de como o retorno de uma tendência nunca é igual à sua primeira aparição. A moda é reflexo de seu tempo e sempre carrega o espírito do que lhe é contemporâneo. Não tem jeito. E essa é a graça...

Jeans

Falando em contemporâneo, olha ele aí! Queridinho de todas as épocas, o jeans é tendência desde a criação do mundo e será até o final dos tempos.

O jeans nos anos 80
Aqui ele aparece sem lavagens e num estilo comportado.


Looks extravagantes / bizarros 

Agora, a gente sabe que a moda dos anos 80 tinha umas coisas bem estranhas, né?! A galera dava umas derrapadas na composição dos looks. Tipo esse abaixo: 

Looks bizarros
Professora, que roupa é essa?!

Looks bizarros
Olha só issooo!!

Looks bizarros
Sem palavras...
E pensar que, na época, essas roupas eram a última moda, a tendência do momento. É muito interessante folhear estas revistas agora, 30 anos depois, e ver o quanto a moda mudou. Daqui a um tempo, olharemos com o mesmo espanto pras revistas atuais... E eu já estou guardando algumas, claro! rs

Croquis

Uma característica marcante das revistas da famosa década eram os croquis que ilustravam as receitas de moldes. Nos dias de hoje, com tantas outras opções tecnológicas disponíveis, isso quase não é mais utilizado.

Croquis dos anos 80
Eu adoro esses croquis! A propaganda da última página da imagem dá uma ideia da época
da publicação ao desejar um bom ano de 87 aos clientes.


Famosas

É interessante também ver como os famosos eram nos anos 80. Reconhece quem é esta aqui apresentando uma campanha de relógios?

Suzy Rêgo nos anos 80
É a atriz Suzy Rêgo.
Alexia Dechamps nos anos 80
E esta aqui é a atriz Alexia Dechamps que,
por sinal, andava bem sumida da TV até
ressurgir em Verdades Secretas no ano passado.


Já esta,mesmo que o nome não estivesse escrito,todo mundo reconheceria, né?!

Angélica nos anos 80
Angélica aos 15 aninhos.


Propagandas

Outra coisa legal de se reparar em revistas antigas são as propagandas, que também permitem captar muito do espírito da época.

Propaganda dos anos 80
Monark! Quem nunca?

Propaganda dos anos 80
L'Oréal já sendo L'Oréal.
Só acho que o slogan ainda não era o que a gente conhece...

Propaganda dos anos 80
Benetton sendo Benetton.

Propaganda dos anos 80
E esta aqui eu sempre achei uma propaganda bonita, apesar
de não ser tão conhecida quanto as outras.
É das lãs Pierre Cardin

TV Manchete
Encerrando as propagandas, olha só quem ainda
era presença firme e forte na TV do brasileiro.
Esta imagem abaixo não é uma propaganda, mas uma matéria de uma das revistas. Achei interessante por chamar de crespos cabelos que, na verdade, são apenas ondulados. Aliás, essa confusão só está começando a acabar agora, com a popularização daquela escala de classificação dos tipos de cabelos, a libertação dos crespos de verdade, o maior acesso à informação, etc..
Revistas de moda dos anos 80


Para encerrar, a prova do crime: meus rabiscos eternizados nas páginas...rs. Desde cedo, uma relação de amor e ódio com a moda...hahahaha.

Revistas de moda dos anos 80


E estas são as duas únicas capas que sobraram, as demais se perderam. Estão bem destruidinhas, né?! Não sei quem são as modelos. Diferente de hoje em dia, antigamente não era obrigatório ser famosa para ser capa de revista. 

Revistas de moda dos anos 80

Se o post não fosse ficar quilométrico e mega pesado, eu publicaria muito mais fotos, mas tive que escolher só algumas imagens para dividir com vocês.

E aí, gostaram? Também têm revistas antigas?
O que acham da moda dos anos 80?

Continue lendo
Nenhum comentário
Gostou? Compartilhe!

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Minha transição capilar e o que aprendi com meu cabelo natural

Inaugurando a seção de Beleza aqui do blog, hoje eu vou falar um pouco sobre a minha transição capilar e os 2 anos sem química que, com muita felicidade, eu completo no próximo sábado, dia 10 de setembro!

A decisão de parar de usar química não foi nada fácil. Tive muitas dúvidas, receios, medo. Após tanto tempo brigando com o meu cabelo, eu nem lembrava mais como ele era. E não fazia ideia de como iria cuidar dele ou mesmo se conseguiria fazer isso. Aqui neste post do meu outro blog, eu também já cheguei a contar um pouquinho da minha história capilar.

A cada intervalo da química, eu via minha raiz natural crescendo e sentia uma atração irresistível por ela, uma vontade de ficar tocando-a o tempo todo. Ela era tão diferente do comprimento relaxado. Era tão mais saudável, mais macia. Eu morria de curiosidade de saber como seria o meu cabelo com o comprimento todo natural. Mas também morria de medo que ele se mostrasse um monstro incontrolável. 

Durante um bom tempo, o medo venceu a curiosidade. E lá ia eu, religiosamente a cada 2 meses, relaxar o cabelo no Beleza Natural. Só que eu já não estava mais satisfeita com o resultado que eu tinha lá há muito tempo.

Não aguentava mais ter que emplastar o cabelo de creme de pentear para conseguir formar e manter os cachos e o aspecto pesado que esse procedimento dava aos meus cabelos, o tamanho dos cachos que ficava diferente a cada ida ao salão, os fios cada vez mais finos e ralos, o dinheiro gasto nos produtos de reconstrução e restauração que não davam resultado, porque, afinal, o processo químico causa estragos irreversíveis. E uma série de outras insatisfações com o salão que numa outra oportunidade eu irei abordar com mais detalhes.

Até que me veio à cabeça: "Eu já estou insatisfeita com o meu cabelo mesmo com a química. Por que não deixar natural, então?! Na pior das hipóteses, eu vou continuar tão insatisfeita quanto agora, não é mesmo?! Só que gastando menos dinheiro!"

Colagem inspiração cabelos crespos naturais
Colagem inspirativa que fiz para a minha transição capilar.
Depois de passar um bom tempo pesquisando sobre cuidados com cabelos crespos naturais aqui pela internet, ver milhões de fotos e relatos de crespas que já tinham dado o basta nas químicas, finalmente comecei minha jornada. E, para me inspirar durante a transição, que durou 1 ano, eu fiz este mural com fotos de crespas naturais e divas. Dentre todas ali retratadas, minha inspiração maior sempre foi a linda da Sheron Menezes

Eu adoro fazer colagem e ainda vou falar muito sobre esse assunto aqui no blog. Elas me ajudam a me inspirar para todo tipo de objetivo que eu traço e também servem como lembrete para me manter focada. Para o meu mural da transição, escolhi crespas que tivessem o cabelo parecido com o que eu achava que o meu ficaria, baseada na raiz que ia crescendo debaixo da química. Mais ou menos ali pelo 4a

Meu cabelo crespo natural
Sem make mesmo. Só um filtro do Instagram
porque ninguém é de ferro...rs
Até que eu acertei a textura. Aqui é como o meu cabelo está atualmente aos quase 2 anos sem químicas. Logo que cortei as pontas pela primeira vez ( Eu não fiz um BC radical, fui cortando aos poucos para não traumatizar, rsrs), fiquei muito feliz ao ver que ele formava cachos. Quando comecei a transição, eu não tinha certeza que isso aconteceria, mas tinha decidido embarcar mesmo assim.

Eu estou adorando os meus cachinhos recém-libertos! O fator encolhimento, que no crespo 4a é bem grande, ainda me incomoda um pouco, mas não tanto quanto eu imaginava antes. Claro que, no início, eu pensei que estaria com o cabelo maior passados 2 anos. Mas depois me acostumei com a ideia de que passaria um bom tempo com os fios curtos. E acho que a aceitação tem que ser total. Se o encolhimento é uma característica do meu cabelo natural, cabe a mim abraçá-la. 

Fator encolhimento crespo 4a

O balanço dos 2 anos sem química (contando 1 ano em transição) é muito positivo! Foi uma enorme surpresa ver que, após uma vida inteira de infinitas tentativas de mudar a textura do meu cabelo, me sinto na melhor versão de mim mesma ao usá-lo natural. Foi surpreendente descobrir que sim, é possível viver em paz com ele do jeito que ele é. Não é necessário brigar. Até porque ele sempre venceu a batalha, de um jeito ou de outro.

Tudo passou tão rápido...Tantas descobertas sobre mim mesma, minha história, minha biologia. Foi um grande desafio, após tantos anos de alisamentos, aprender a cuidar deste cabelo que nasceu comigo, mas que eu desconhecia.

E aqui vai uma listinha de algumas vantagens que venho tendo nesta fase natural e que compensam a mudança (pelo menos para mim):

1) Baixo custo de manutenção ao usar produtos naturais e bem acessíveis como os óleos vegetais;

2)Cabelo visivelmente mais saudável e resistente, necessitando de cortes bem menos frequentes;

3)Fim do cabelo ralo e volta da quantidade de fios que eu tinha antes das químicas;

4)Sou livre! Não estou mais presa a nenhum salão ou linha de produtos. Posso usar o que eu quiser no meu cabelo!

5) Me apropriei dos meus cuidados capilares. Agora só eu mexo no meu cabelo. Sou dona dele.

Esses são alguns dos ganhos que eu tive com a aceitação do meu cabelo como ele é. O que antes era inimaginável, usar o meu cabelo natural, se tornou realidade. E, com isso, posso dizer que um novo mundo se abriu. Um mundo sem dependência química. Um mundo em que posso simplesmente existir da forma como eu nasci. Um mundo de cuidados capilares mais simples. E também mais baratos.

Aos poucos, eu vou contando aqui como é a minha rotina de cuidados, quais os produtos que eu uso...Mas por enquanto, para finalizar, deixo aqui minha gratidão aos blogs que foram fontes de informação e inspiração para mim durante a minha transição
Alguns já não são mais atualizados, mas mesmo assim têm muitas dicas que podem ajudar quem está começando sua jornada agora. 



Continue lendo
Nenhum comentário
Gostou? Compartilhe!

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Camiseta básica de cara nova com customização inspirada no Egito

Oi, gente! Como prometido, hoje eu estou retomando as postagens regulares do blog e estou muito feliz por isso! Eu sei que, no post anterior, eu disse que as publicações seriam quinzenais, mas, como consegui um tempinho livre antes do esperado, antecipei o texto de hoje. Vamos lá, então?!

Como vocês vão perceber ao longo do tempo, eu adoro uma blusinha básica. Elas são curingas no guarda-roupa de qualquer mulher e, além disso, eu as vejo como uma página em branco. Algumas eu deixo com a "cara limpa", ou seja, do jeito que eu comprei. E outras eu escolho para dar um toque pessoal.

No post de hoje, vou mostrar a customização que eu fiz numa camiseta que eu comprei na Riachuelo, naquela seção de básicos que eles têm, a Pool. Na época, acho que custou uns R$29,90 apenas.

Camiseta básica
O antes.

Eu não sigo uma regra na hora de escolher as "vítimas" que eu irei modificar, rs. Na maioria das vezes, eu dou uma repaginada numa roupa que eu já tinha há um certo tempo, mas às vezes, eu já compro uma peça pensando em fazer isso. Chego a visualizá-la com as minhas alterações ainda durante a compra. Este foi o caso desta camiseta.

Não que eu não tenha gostado dela, muito pelo contrário. Eu adorei esta malha flamê neste tom off-white que lembra um papel reciclado. Ela também me lembra a textura e o frescor do linho, que é um tecido de origem milenar e que já era muito usado e valorizado no Antigo Egito. E foi lá que eu busquei inspiração para fazer esta customização. Pesquisando aqui em casa, eu encontrei esta imagem no livro A roupa e a moda, que eu usei como referência:

Faraó Tutancâmon
O faraó Tutancâmon e sua rainha.
(Fonte: livro A roupa e a moda, de James Laver)

Nela estão retratados o faraó Tutancâmon e sua rainha. E foi nesta espécie de gola, feita de ouro e esmalte que a realeza egípcia usava que eu me inspirei para personalizar a minha blusa basiquinha recém-adquirida.

Lembrei que eu tinha guardada uma pequena quantidade de lentilhas de plástico, em duas cores, verde musgo e cobre, que eu comprei há muitos anos, na época em que eu fazia bijuterias e que tinham tudo a ver com o efeito que eu queria.
Inspiração miçangas
Lentilhas de plástico com acabamento cintilante.
À esquerda, imagem de uma revista L'Officiel antiga
 que eu também peguei como inspiração. 
Então, com agulha de mão e linha no mesmo tom da camiseta, eu fui prendendo as lentilhas uma a uma, formando 6 carreirinhas, uma abaixo da outra e com as cores intercaladas. Este foi o resultado. Vejam o antes e o depois:

Customização camiseta
Antes e depois da customização

Deu um certo trabalho, mas eu adorei o resultado!

Customização camiseta
Foto mais aproximada.
E vocês, o que acharam?

Continue lendo
2 comentários
Gostou? Compartilhe!

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

O blog está voltando!


A saudade foi mais forte e cá estou eu de volta, ansiosa para recomeçar a postar as coisas que tanto gosto por aqui! Desde fevereiro não atualizava o blog porque estava envolvida com outros projetos que estavam me consumindo completamente. Como eu sabia que não iria conseguir manter a frequência e a qualidade das postagens, achei melhor dar um tempo. Durante esse período, cheguei a fechar o acesso do blog, pois não gostava de vê-lo largado no meio desse marzão de blogs abandonados que existe aqui na internet.


Ao longo destes quase 6 meses longe do Vestimentarte, eu não estive fora da blogosfera, pelo contrário. Eu comecei meu segundo blog, o Dos olhos para dentro, onde eu falo sobre arte, entretenimento e emoçõesAí você pode estar pensando: "Abandonou um blog porque estava sem tempo, mas conseguiu criar e atualizar outro?" Sim. Eu explico. 

O Dos olhos para dentro é um projeto que eu já queria fazer há um certo tempo e ele acaba sendo mais fácil de atualizar do que o Vestimentarte por não envolver o registro e a edição do processo de transformação e confecção de roupas como acontece aqui. 


Claro que eu já sei que não vai ser moleza cuidar de dois blogs. Por isso, refleti muito antes de retomar o Vestimentarte. Mas eu gosto muito dos dois projetos e vou me dedicar bastante para mantê-los com qualidade! A partir de agora, a ideia é que as postagens em cada um dos blogs passem a ser quinzenais para que eu consiga conciliar o trabalho nos dois e continue tendo vida fora da internet (rsrs).


 Em breve sairá a primeira postagem após o retorno! 
Estou super animada e preparando coisas lindas! 
Não percam!

Continue lendo
Nenhum comentário
Gostou? Compartilhe!

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Customização de carnaval

É carnaval!! E hoje eu vou falar um pouquinho sobre uma customização que eu fiz para curtir a folia, mas não a deste ano,a do ano passado...rsrs
Isso mesmo. Este ano eu estou focada em outras coisas, estou estudando muito e não vou fazer nenhuma aparição nos blocos da cidade. Eu adoro carnaval, mas essa decisão está sendo super tranquila,eu já bati ponto no carnaval de rua carioca durante muitos anos, agora em 2016, vou me dar este descanso.

Mas,voltando ao carnaval de 2015...para fazer esta customização,eu não me inspirei em nenhum personagem e não tinha a intenção de fazer uma fantasia propriamente dita. Eu queria uma peça alegre,confortável,descontraída e com algum brilho para cair na folia. E,o mais importante,queria aproveitar alguma coisa que eu já tivesse em casa.

Então,revirando meu baú, achei uma blusa roxa que estava guardada há milêeenios e a qual eu não pretendia mais usar. Decidi que ela seria a minha vítima.


Customização carnaval



Aí, fui caçando tudo que eu tinha com cara de carnaval:

pom-pons de tule que eu fiz na faculdade, babados de tule com fita metalóide de quando minha mãe costurava roupas de bonecas típicas (!), a máscara de "mulher-gato" de oncinha que um amigo tinha acabado de me dar pro carnaval, pérolas, retalhos de lamê paetizado de um chapéu de arlequim que eu também fiz na faculdade, paetês e um colete de renda lilás que eu comprei e nunca usei...
Quando vou fazer uma customização,eu gosto de juntar tudo o que eu  posso usar e que tenha mais ou menos a ver com a peça escolhida para poder visualizar e ir eliminando o excesso.

Depois disso,é só ir vendo qual material realmente combina melhor e onde ele vai entrar na peça. Para esta customização,eu não mexi muito na modelagem original,só transformei a manga curta em alças e, nas costas,eu abri um retângulo e apliquei a mesma renda usada no decote,para dar uma refrescada. As outras alterações foram apenas sobreposições.
Lembrando que, nesta peça, eu não caprichei muito nos acabamentos,porque afinal foi só uma customização rápida para brincar o carnaval.
Este foi o resultado final,com o antes e depois. O que acharam?

Customização carnaval

Continue lendo
Nenhum comentário
Gostou? Compartilhe!

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Restaurando uma sapatilha que eu adoro

Oi! Hoje eu vou falar sobre reaproveitamento, sobre o dia em que resolvi consertar uma sapatilha que eu gosto muito. É um modelo rosa da Moleca que eu comprei há muuuito tempo atrás,acho que eu ainda estava na faculdade,no último ano. Lá nos idos de 2008! Pois é...rs

Apesar dessa sapatilha já ser uma senhora de idade e eu gostar muito dela, eu a usei poucas vezes. Porque ela foi se deteriorando não muito tempo depois de eu tê-la comprado. A parte da frente dela,a biqueira (acho que é esse o nome),começou a "descascar", a soltar o "courinho" rosa que tinha por cima e também a se descolar do solado.
O problema do solado era relativamente fácil de resolver,era só colar! E assim o fiz,colei com aquelas colinhas tipo Super Bonder,as genéricas,rs. Tive que fazer isso algumas vezes,até convencer o solado a colaborar. Eu usei algumas vezes depois,mas o courinho soltando na frente me incomodava e eu ainda não sabia como resolver esse problema. Não me desfiz dela, a guardei até que eu tivesse uma idéia de como consertá-la de vez.

Sapatilha velha


Foi então que,no ano passado,olhando para ela, me veio o insight de terminar de arrancar o courinho e pintar a biqueira com tinta para tecido. Então,arranquei e lixei,para deixar a superfície lisinha,e pintei num tom de vinho,pois tive dificuldade de encontrar uma tinta no tom de rosa exato da cor anterior da biqueira. Dei algumas demãos para ficar beeem vinho (adoro essa cor) e também mais resistente.

Restaurando a sapatilha


E a sapatilha está aí,como nova,como se ela tivesse sido sempre assim! Está aí para provar que não precisamos jogar nada fora quando surge um defeito,um probleminha. Está aí para provar que com boa vontade podemos dar uma cara nova a algo que já temos,sem precisar gastar quase nada.

Antes de terminar,queria só deixar claro que esse post não é uma crítica à marca Moleca. Ela sempre foi e continua sendo uma das minhas marcas preferidas de sapatilha. Acho que esse é um tipo de problema que pode acontecer e,inclusive, foi o único problema que tive com os calçados da marca. Problema que contornei por conta própria e estou super feliz com o resultado!
Segue a sequência de fotos mostrando o processo:



E vocês,já fizeram o mesmo com algum sapato que vocês gostavam muito?

Continue lendo
Nenhum comentário
Gostou? Compartilhe!